terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sobre o nada

Abriu os olhos lentamente, como quem enxergava pela primeira vez o que estava a sua frente. Mas na verdade, não era a primeira vez que enxergava. Só que anteriormente não queria ver. Sentou na ponta da beiradinha da cama. Os pés mal tocavam o chão e o despertador não parava de tocar um minuto se quer. A janela, por mais aberta que já estivesse, lhe parecia pequena e o ar mal entrava. Respirou fundo, tirou a roupa de dormir. Sim, havia roupa para dormir, para sair, para a missa, para tudo. Tirou o pijama e novamente deitou. Ficou fitando o teto e a luz que suavemente batia no espelho no guarda-roupa. Gostava da luz da manhã e da luz do final da tarde. Para ela, pareciam luzes de cinema. Ficou olhando o teto um bom tempo, até não saber onde estava mais. Só se deu conta de voltar a realidade quando os pelinhos do braço arrepiaram de frio. E ela se encolheu, entrando novamente dentro do edredom. Como era bom sentir algo de novo, nem que fosse o frio. Abriu novamente os olhos e pensou que tinha que levantar. Colocou os chinelinhos azuis e foi até o banheiro, no final do corredor. Ligou o chuveiro e entrou. A água escorria pelo seu corpo como o tempo estava escorrendo pelas mãos. E como seus sonhos, a água ia pro fundo do ralo, sem saber onde ia dar. Não sei mais quem sou, pensou novamente. Não se reconhecia no espelho embaçado, não conseguia mais ver sua própria imagem. Sentou no chão do banheiro, do jeito que estava sentou, como quem está se jogando. E chorou. Vendo as lágrimas se misturando com a água do banho. Levantou lentamente, como estava o dia, pegou a toalha e se enxugou pela metade. Os cabelos ficaram molhados pingando na cama e no chinelinho azul. O despertador ainda tocava desesperadamente anunciando a hora de levantar. Ou de começar a viver no caso.

diálogos da Geisy

e ela só queria estudar....
- O meu sonho é fazer isso que estou fazendo, ficando famosa e aproveitando meus minutos de fama.
- mas geisy, vc não vai mostrar a lipo que fez?
- não, só no carnaval.
- mas geisy, geisy....
e ela sai. no começo de novembro.
- os caras te agarraram na universidade?
- sim, e eu só queria estudar. - se só queria estudar, pq foi com aquele vestido?
- pq ia numa festa depois.
- mas com a roupa curta na faculdade fica difícil de segurar né?
- mas eu só queria estudar. só isso.
- vai posar nua, geysi?
- não sei, depende.
- do quê?
- do quanto me oferecerem.
- vai processar a Unibam?
- vou, não deram segurança pra eu estudar.
- e o vestido?
- está guardado, uma relíquia, salvou minha vida. agora serei uma artista.
- vai voltar a estudar?
- verei isso só no futuro....
- mas não era isso que vc mais queria, estudar?
- a vida muda né, darling?

sábado, 12 de dezembro de 2009

Alguns diálogos (im) pertinentes

- bom dia, vamos conversar. - pois não, dona janete. algum problema? - eu vou te despedir. investi dinheiro em você, mostrei o que você deveria ter feito e você não aprendeu. - mas eu tentei! - sim, mas não aprendeu. você não tem capacidade para aprender. eu gastei dinheiro com você. - mas dona janete... - é verdade, eu investi, deixei você trabalhar aqui de graça para aprender e você não aprendeu. você não tem capacidade para aprender. - mas eu tentei, eu fiz o que eu podia fazer de melhor, dona janete. - não interessa, você não aprendeu, você não tem capacidade. - então vamos acertar minhas contas, 400 reais. - 400 reais? você está louca? eu não vou te pagar tudo isso. eu investi em você e você não aprendeu. você não tem capacidade. vou te dar 200 reais e é muito. - mais eu trabalhei o mês todo, dona janete. - mas não aprendeu, você não tem capacidade de aprender. não vou te pagar o salário todo, já deixei você trabalhar aqui. você não aprende nada. - mas dona janete....
:::::::::::::::::::::::
- oi, bom dia! - bom dia. - ontem foi o dia do palhaço né? fizeram uma matéria comigo, eu vim buscar o jornal. - palhaço? que palhaço? está doido? - ontem foi o dia do palhaço e saiu um material sobre mim, sou palhaço há 20 anos aqui na cidade, queria guardar um exemplar. - 1,50. - mas é só um exemplar que eu queria... - 1,50. - eu não tenho dinheiro agora. - então não tem jornal. - mas será que eu não consigo unzinho só? - 1,50. - eu tenho dois reais aqui. - vou pegar o troco. - não tem como me ceder mais um? - mais 1,50. - mas senhora (a mesma dona janete), eu não tenho esse dinheiro. - então não tem jornal. nós não podemos ficar dando jornal assim, pra qualquer um. - mas eu não sou qualquer um, eu sou o palhaço que saiu no jornal! - 1,50.
::::::::::::::::::::::::::
é nessas horas que eu me questiono quanto vale a vida, qual o valor que se dá ao ser humano que está ao nosso lado. ou distante de nós. não é direito alguém humilhar o outro assim. não é. eu sei pq tive professores na faculdade que também me humilhavam ao lerem meu texto quando eu estava aprendendo. isso não é direito. as pessoas estão aprendendo. e a dona janete realmente existe, claro que com outro nome. ela é real. humilhou um amigo meu esses dias. e cobrou do palhaço 1,50. e despediu a moça repetindo várias vezes que ela não tem capacidade de aprender. a palhaçada é outra aqui. é a falta de humanidade, de olhar e respeitar o outro, ter carinho e atenção. o mundo não vai acabar por causa das catástrofes naturais, o mundo vai acabar porque falta humanidade, falta respeito. não vou falar que falta amor porque isso, aos olhos de muitos, soaria piegas. mas falta também. amor ao próximo. não nos quesitos "os ensinamentos de jesus". não. não entro em mérito de religião. cada um tem a sua. mas a verdade é que gentileza é algo único, real e verdadeiro. e mais do que a arte, só o respeito, só enxergar o outro vai fazer desse mundo um mundo melhor. fiquei envergonhada pela situação a qual o palhaço foi submetido. demorei pra engolir. mas ainda não achei normal, nem natural. é social, é construído no dia a dia. no jeito como o pai trata a mãe na frente do filho ou vice-versa. ou como o pai ensina o filho a ser "comedor" ou a mãe ensina a filha a ser "submissa". nada disso pode ser real. nada. é sobrenatural, e é isso que me assusta. não precisamos ter medo de chuva, de raios de nada. medo pra mim é dos homens e das atitudes desumanas que não se fazem nem com um cachorro. e por falar nisso, a dona janete tem um cachorro que ela trata como filho e diz: "vem com a mamãe". isso me lembrou em muito a cena do auto da compadecida, "pra cadela, bife na manteiga, pra gente, trabalho". porém, desculpem-me cadelas, ela não sabe o que diz. eu tb ficaria puta da vida se uma pessoa desse nível chamasse um filhote meu de filho. podem latir, porque talvez ela entenda essa língua. de seres humanos, dona janete não entende.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Bortolotto

Caraca, viu? O Mário foi atingido. Eu não o conheci, mas coloquei um material esses tempos no jornal sobre o livro "Nossa vida não vale um chevrolet". E conheci um pouco mais dele. já tinha ido ao "cemitério de automóveis" em londrina e conhecia um pouco dele de lá tb. um dos fundadores.
eu sempre vou à praça roosevelt qto estou em sampa e o cara foi baleado lá, no parlapatões, lugar onde sempre que posso, estou tb.
eu não sei, mas acredito que o mundo esteja um tanto perdido, como já afirmava o nosso querido vô orlando do mundo da lua.
encontrei o mário na livraria HQmix uma das vezes que fui lá, mas não nos falamos. acho que fiquei de longe, só admirando. um grande escritor, uma grande pessoa. ele está internado em estado grave. não dá pra acreditar.
mas vai se recuperar, com certeza. ele ainda tem mto pra falar pra nós.
ps: é vdd, André. o blog dele: http://atirenodramaturgo.zip.net/ (como é que pode um nome desses e essa tragédia?) pois bem, um pedaço do blog dele que nos serve de consolo. e principalmente de esperança.
"Eu voltei pro bar hoje. Eu sempre volto pro bar. Os amigos não acreditam quando me vêem entrando pela porta, de novo. [...] Quando ninguém mais acreditava que eu pudesse voltar. Eu tinha tudo pra não voltar, né? Mas eu sempre volto"
tomara que volte. mesmo. hj vai ter um ato na praça:
O grupo de teatro Parlapatões organiza um ato na noite deste domingo pela recuperação do dramaturgo Mário Bortolotto, que foi baleado durante um assalto na madrugada de sábado (5) na praça Roosevelt, no centro de São Paulo. Amigos, artistas, público, frequentadores da praça, vizinhos e jornalistas devem comparecer ao Espaço Parlapatões às 21h de hoje. Segundo nota publicada no blog do grupo, "o teatro não vai se intimidar com a violência, muito menos se submeter aos bandidos, aos que querem a escuridão nas ruas, aos querem que o povo fique em casa, acuado". "Mário Bortolotto é um símbolo de nossa Praça Roosevelt. Seu estado de saúde é grave, mas está resistindo e viverá". O grupo não vai apresentar a peça O Papa e a Bruxa, na noite de hoje, para que todo o elenco, artistas, produtores, técnicos e funcionários do teatro possam participar do ato. "Vamos ler trechos de suas peças, seus poemas e vamos mostrar que o nosso palco não está a serviço das tragédias reais, mas que faz dramas, comédias e tragédias para dar fôlego à sociedade para enfrentar suas mazelas. Compareça! O Teatro resistirá mais uma vez. Bortolotto viverá e escreverá muito mais de nossa história! A praça é do povo, da cultura, da comunhão, da arte e da paz!" "Nosso amigo Carcarah, também atingido, passa bem e está conosco em pensamento pela recuperação do Bortolotto", diz o comunicado. O dramaturgo permanece internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital Santa Casa de Misericórdia na tarde deste domingo. O hospital afirmou que o estado de saúde dele é grave, porém estável. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, não há previsão de alta da UTI. Bortolotto foi levado para o hospital na madrugada de sábado (5) após ser baleado com quatro tiros durante um assalto no bar dos Parlapatões da praça Roosevelt, no centro de São Paulo.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Conflito dos Sem Terra

bom, eu trabalho no Jornal da Manhã aqui em Marília e tenho amigos talentosíssimos aqui. Muita gente boa trabalhando junto, tinha tudo pra ser o melhor Jornal. Mas enfim, não é disso que quero falar. Todos aqui têm seu talento, mas tem um amigo que tem um olhar um tanto qto apurado. Aliás, tanto o Eddio quanto o Alexandre são dois super repórteres fotográficos. E quero, mesmo, dar uma força para os dois. Mas agora vou falar um pouco do Alexandre Lourenção por um trabalho dele que esteve em exposição aqui em Marília e poucos souberam. O conflito dos Sem Terra em 1993 que aconteceu em Getulina, cidade próxima. Na visão de Alexandre:
Conflito entre “Sem Terra” e Polícia Militar
Em 1993, o Movimento dos Sem-Terra (MST) se organizava para ocupar mais um latifúndio no Estado de São Paulo, quando na madrugada de 9 de outubro, quase 3 mil famílias ocuparam uma área de 5.400 hectares da fazenda Jangada na cidade de Getulina, no interior de SP. Depois de várias e frustradas tentativas de negociação com os governos estadual e federal, o desgaste das famílias era intenso e o clima ficava cada dia mais tenso. Após 40 dias de ocupação do MST, uma ação policial de retomada de posse da fazenda foi autorizada pelo governo paulista e um confronto violento de proporções nunca vistas foi inevitável. Mais de 8 mil homens do batalhão da Polícia Militar de São Paulo estavam presentes e fortemente armados, além do canil, cavalaria e um helicóptero da capital paulista.
No início do conflito, os Sem Terra, não se intimidaram com a força policial e se uniram formando uma gigantesca corrente humana, todos de mãos dadas e gritando em defesa da ocupação. A situação ficou desesperadora no momento em que a tropa de choque ficou diante das famílias. Várias bombas de gás lacrimogêneo foram lançadas nos invasores e muitos disparos de arma eram ouvidos em meio de tanta fumaça. “Era uma situação de guerra” conta eu pensei, porque fazia a cobertura pelo Jornal Diário de Marília, naquele ano. "Foi a maior experiência que tive como jornalista nos 20 anos da profissão". “Ver aquelas famílias (muitas com crianças) se arriscando em confrontar com uma força militar e todo aquele aparato policial, foi preocupante. Eu lembro que, quando a tropa de choque foi em direção as famílias, os policias batiam com os cassetetes nos escudos numa grande marcha psicológica arrasadora. No momento do conflito, o barulho das explosões somados aos tiros das armas de fogo era assustador, principalmente porque se ouviam muitos gritos e choros. Eu pensei que haveriam várias mortes naquele dia”, comenta o jornalista. Depois de algumas horas de intenso terror, os invasores perceberam que não tinham chances de continuar a batalha com a polícia e todos acabaram se rendendo e desistindo da ocupação. Não houve nenhuma morte registrada no conflito mas centenas de pessoas ficaram feridas. A ocupação da fazenda Jangada em Getulina virou um marco na luta pela terra em São Paulo, pois a sua repercussão possibilitou o acesso do MST a outras cidades do estado paulista e de todo o país. O movimento continuou formando militantes Brasil a fora e ampliou o leque de alianças, mostrando seu potencial de mobilização e a necessidade da Reforma Agrária.
sobre Alexandre Lourenção
Alexandre Lourenção, jornalista e repórter-fotográfico do Jornal da Manhã de Marília (1989-1991 e de 1998 até hoje). Atuo na profissão há 20 anos, com trabalhos feitos no Jornal Diário de Marília (91-96) e também algumas passagens em Bauru e Garça. Fiz alguns cursos de língua estrangeira (inglês, espanhol e um pouco de alemão). Minha paixão é o fotojornalismo. Nele, o fotógrafo aprende a ter muitas habilidades, como o domínio da metragem da câmera, a atualização e a prática das tecnologias, forte percepção dos acontecimentos (de prever alguns fatos), estar bem informado com o noticiário, sensibilidade, coragem e é claro, sorte. Tudo isso forma um bom profissional. E o dia-a-dia ensina muito. Como o repórter não sabe o que vai acontecer, ele tem que estar preparado para as mais diversas situações, como a do conflito em Getulina no ano de 1993 entre a Polícia Militar e os integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST)
bacana né? o Alê realmente é um talento.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

CAFÉ EM CURITA!

não percam! em curitiba dia 5 tem Café Espacial!

Laudo em Sampa

Pessoal, pra quem é de Sampa: hoje tem lançamento do livro do Laudo: Yeshua!
Compareçam! na HQ Mix Livraria!
YESHUAH
Com roteiro e desenhos de Laudo Ferreira Júnior e arte-final de Omar Viñole, o livro tem 160 páginas e conta a história de Jesus dentro de uma visão pessoal do autor sobre as várias seqüências da história. Baseado nos textos dos Evangelhos Canônicos de Matheus, Marcos, Lucas e João e, também em pesquisas de vários textos apócrifos e históricos, durante os nove anos de sua criação, "Yeshuah' (palavra hebraica que significa salvação), o autor dedicou-se, também a pesquisas em diversos segmentos religiosos, literários, filmes, músicas. Os nomes dos personagens, termos e localidades foram traduzidos para o hebraico, a cidade de Belém "Beth Lehem" Maria virou "Miriam", José "Yosef", Joaquim (pai de João Batista) "Yohahim", o que curiosamente, criaram um certo distanciamento, como se fosse uma outra história onde o leitor poderá aproveitar mais a obra dentro de uma outra ótica. Jesus entra na parte final da história juntamente com seu irmão Yaakov (Tiago), ambos seguidores do batista Yohánan (João) que no meio do Jordão, entre tantos fiéis, conhecem Miriam (Maria), uma mulher independente, dona de seu nariz e desejosa por conhecer novas verdades espirituais que acreditava ter encontrado em Yohánan, até conhecer aquele misterioso e curioso homem - Yeshu. "A idéia não foi criar um roteiro completamente novo levando a história de Jesus para outro caminho que não o conhecido. O desafio foi justamente trabalhar em cima da versão canônica dando minhas intervenções, meu pensar quer textualmente ou visualmente sobre várias seqüências da história. O meu Jesus a ser apresentado nessa história, teria que ser um homem normal, humano, completamente fora da aura católica, santa, que as grandes obras do renascimento estão impregnadas." - diz o autor Laudo Ferreira Junior. A obra completa contará com, aproximadamente, 500 páginas divididas em três volumes com histórias completas. “Nesta primeira etapa do trabalho, muitas certezas haviam sido plantadas na minha cabeça para continuar a contar a história. A caminhada de Jesus e seu Deus interior sendo construído é a possibilidade que todos temos de gerar sempre o melhor dentro de todos nós" – conclui.

I EMPOLGAÇÕES CULTURAIS

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Daquelas coisas de lá

e elas sempre voltam. aqueles tormentos ocasionais, aquelas promessas mal cumpridas de segundas-feiras, aqueles dramas internos não raros, mas propensos a tornarem-se ganhadores de prêmios. pois bem que estão todos aí. assim como as chuvas de verão. não não, talvez o estresse seja mental mesmo, interno, se é que existe interno pra tanto externo. e tudo fervilhando no mesmo lugar, no mesmo caldeirão quente e insano. aquela insanidade digna dos seres humanos passíveis de erros, de desconstruções, de ilusões passageiras e perigosas. bem perigosas no caso. como é que algo desmancha no ar? fácil, nunca foi sólido, nunca. e começo a acreditar que uma tristeza pode sim vir a se tornar real e forte. afinal, para que crer em algo não é mesmo? acaba. ou nem começa. afinal todos aqueles sonhos, puxa, aqueles sonhos tão sonhados, que de tão sonhados parece que aconteceram, aquele cheiro que insiste em te lembrar o passado, aquela situação que te apresenta: mas foi com isso que sonhei? com isso? puxa vida, não era pra ser tanto, nem pra ser menos, mas por favor, ficar no quase é que me mata. e mata mesmo. me deixa se ar, sem vontade, sem entusiasmo. e os dias vão indo um depois do outro, e as coisas chegando, saindo, caminhando não sei pra onde. absorvendo. sem fala. sem voz. sem nada. não não. não deve ter sido pra isso. que desrespeito que me fazem! fazem talvez seja eu, um só que é comigo mesmo o assunto, a dor, a passagem. tipo um rito, mas se força de expressão e sem achar que pode acontecer de novo. então não é um rito, é um presságio. - cuide da mente, da alma, do coração. - entendi. mas como? não tá um pouco tarde pra isso não? não vai dar tempo, estou avisando... e aquelas coisas de lá, de cá, daqui vão todas ficando, esvaziando, esvairindo-se aos poucos. gota a gota.

Entrevista Artie Spiegelman

Qdo eu li Maus, pela primeira vez, eu tive um choque cultural, no sentido de um nova referência, tanto estética, qto cultural e história.
Marcou mesmo a minha vida e as novas formas de ver a realidade. E agora, Artie Spiegelman concedeu uma entrevista à Folha de São Paulo. Puxa vida, mas que legal.
Vale a pena ler.
"Desenhar é sempre uma luta", diz Art Spiegelman
RAQUEL COZERda Folha de S.Paulo (podia ser eu, mas não foi. rs)
Art Spiegelman desconstrói para poder construir. O cartunista vem usando esse método desde o fim dos anos 60, quando surgiu no cenário underground dos EUA, para provar aos incrédulos que as histórias em quadrinhos são, sim, uma forma de arte. O empenho lhe garantiu, em 1992, um inédito prêmio Pulitzer para um quadrinista, por sua obra "Maus" (lançada em dois volumes, em 1986 e 1991), em que relata a história de seus pais em campos de concentração nazistas. Boa parte desse trabalho de dissecar os quadrinhos pode ser vista em "Breakdowns: Retrato do Artista Quando Jovem %@&*!", que ganha caprichada edição da Quadrinhos na Cia. Original de 1978, com os primeiros esboços de Spiegelman, o livro sai agora com extensa introdução, também ilustrada, em que ele analisa sua carreira. Spiegelman, 61, quase não dá entrevistas. Ele também deixou os fãs brasileiros a ver navios em 2007, quando, anunciado como convidado da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), cancelou sua participação na última hora. Mas, na última quinta-feira, ao atender ao telefonema da Folha, de Nova York, onde vive, não parece nada incomodado em falar de si e do seu trabalho. Em quase uma hora de conversa, faz graça de si mesmo, comenta a autoanálise possível por meio das HQs, diz como se sente com a "sombra" de "Maus" e discorre sobre os cartunistas que admira. Leia a seguir a íntegra da entrevista.
Folha - "Breakdowns" tem duas características muito fortes, uma de autoanálise e outra de análise dos quadrinhos como forma de arte... Spiegelman - Sim, parece certo para mim.
Folha - Vamos começar com essa coisa da autoanálise, então... É algo comum nos quadrinhos desde o underground dos anos 60, certo? Por que isso? Spiegelman - Bem, não foi sempre assim. Até onde sei, começou com meu amigo Justin Green, que fez uma HQ chamada "Binky Brown Meets the Holy Virgin Mary" [1972], que ajudei a [revista] McSweeney's a trazer de volta à luz. Na época, em meados dos anos 70, os quadrinhos underground eram muito autobiográficos, confessionais, chocantes de certa maneira. "Binky Brown", que foi um dos primeiros trabalhos de Justin Green, teve uma grande influência sobre Robert Crumb, sobre mim, sobre Harvey Pekar e outros cartunistas, no sentido de começar com autobiografias. Nesse sentido, acho que é uma das origens dos quadrinhos contemporâneos, e talvez tenha sido uma resposta às décadas anteriores, em que os quadrinhos eram apresentados só como um produto industrial. [A autobiografia] era a manifestação mais clara dos quadrinhos como um meio de autoexpressão. Não eram a única maneira de fazer isso, mas a mais clara.
Folha - E isso serve como uma espécie de terapia? Spiegelman - Olha, tentei terapia, é mais caro e é um processo meio diferente. Tenho uma analogia horrível, mas não consigo pensar em nada melhor, que é: terapia é um processo que envolve vomitar as coisas, quadrinhos é mais como engolir o vômito. É preciso vomitar antes de fazer algo com isso. Então, não é exatamente a mesma coisa, mas, sim, ambos envolvem autoanálise.
Folha - Quando criou "Maus", por exemplo, e isso fica claro em "Breakdowns", o sr. precisava colocar aquilo no papel. Mas também não dá para negar que você tinha uma grande história ali. Pode-se dizer que a autoanálise é menos central que o fato de o sr. identificar boas histórias na sua vida? Spiegelman - Sim, acho que até mais isso. Quando fiz "Maus", pensei: "Seria ótimo fazer uma HQ que fosse muito extensa e que tivesse a densidade que fosse possível associar a de uma literatura séria". Fiz aquela versão de três páginas [que está em "Breakdowns"] e pareceu desperdício, porque era uma história para contar. Trabalhei em "Breakdowns" nos anos anteriores à versão em livro de "Maus". Naquela época, estava bem pouco interessado na história em si, embora soubesse que é por ela que as pessoas se voltam aos quadrinhos. Me interessava mais o modo como imagem e texto se encaixam. Por isso o trabalho "Breakdowns" é tão difícil, ele requer foco, diferente de "Maus". Os livros de "Maus" narram alguma coisa, não para eu mesmo descobrir, mas apresentam ao leitor as forças em jogo numa trama muito complexa.
Folha - A nova introdução de "Breakdowns" mostra o sr. tentando fugir da sombra de "Maus", e dizendo que isso não adianta, que você não consegue escapar. É ironia ou isso de fato o incomoda? Siegelman - Tanto é irônico quanto me incomoda. As duas coisas são verdade. Por um lado, gostaria que falassem: "Puxa, o que você está fazendo agora é fantástico". Mas é claro que, quando fiz "Maus", fiz o que no rock ou no blues eles chamam de "crossover hit", algo capaz de atrair inclusive quem não liga para a meio em si, no caso, as HQs. Sou grato a "Maus" porque, depois dela, foi possível publicar minhas HQs mais difíceis. Não que "Maus" seja fácil, mas é difícil de modo diferente. Ali, estava tão interessado em tornar claro algo complexo como "Maus" que tive de suprimir coisas que eram interessantes para mim, como a corrente de consciência do meu pai contando a história. Deixei isso de fora para poder entrar em outras complexidades, sem que o resultado ficasse muito joyceano. Mas acho que divido com algo com a maior parte dos cartunistas que conheço. O fato é que muitos cartunistas, inclusive eu, têm certa inveja de "Maus" [risos].
Folha - Quando estava criando "Maus", o sr. tinha noção de que era algo que as pessoas considerariam uma obra de arte? Spiegelman - Não... Acho que talvez, na verdade, eu tenha avaliado absurdamente alto algumas páginas de "Breakdowns"... Realmente não achei que "Maus" se tornaria um sucesso mundial nesse nível. Depois me dei conta de que, a não ser que fizesse alguma coisa em que a história fosse o motor, embora meu interesse fosse que o encaixe de quadros fosse o motor, meu público se tornaria tão pequeno que eu teria de expor numa galeria de arte para encontrar uma única pessoa que gostasse. Mas, se eu tentasse fazer HQs de algum modo tradicional, no sentido de me comunicar com outras pessoas, tinha de focar na história. Achei que encontraria um público, nem de longe um tão grande como acabou acontecendo. E pensei, ok, estou fazendo isso para durar, vou tomar o tempo que precisar para fazer isso bem, e talvez, postumamente, ser descoberto. E, na verdade, foi tudo menos desapontador descobrir que não estou tão à frente do meu tempo como pensava.
Folha - Em "Breakdowns", há aquela passagem em que o sr. fala sobre o que cartuns significam, entreter e divertir, e "Maus" não é nada sobre diversão... Spiegelman - A ideia de diversão, não sei se é a melhor palavra... Quer dizer, sim, foi a palavra que usei, mas seria idiota alguém dizer: "Foi realmente divertido ler 'Maus'", ficaria parecendo uma espécie de monstro. Mas também é verdade que muita gente virou para mim e disse: "Realmente gostei de ler 'Maus'", e depois ficou sem graça, porque se dava conta de que tinha dito que tinha gostado daquilo. De alguma maneira você confunde o livro sobre o fato com o fato em si. Acho que existe um prazer que vem da narrativa, da maneira como é tudo colocado junto, e o prazer não é necessariamente de diversão, como ficar bêbado com uma pessoa bonita do sexo oposto durante uma noite pode ser divertido. Mas existe um prazer que vem do trabalho, mesmo se o tema é deprimente.
Folha - Há uma curiosidade sobre o título "Maus" em português, porque ele tem a conotação de "malvados", embora não sejam os "mouses" [os ratos da história, que são os judeus] os vilões, por assim dizer. Spiegelman - Ah, isso é interessante... Na verdade, é só a palavra em alemão para "ratos". Não me importo com que conotação a palavra possa ganhar, só gosto da ideia de que, apesar de o livro existir em cerca de 30 línguas hoje em dia, em todos ele se chama "Maus" [risos]. Ele faz sentido para mim se confundir.
Folha - O sr. acha que as pessoas que só leram "Maus" entre as suas HQs têm uma ideia limitada sobre o seu trabalho? Spiegelman - De certa maneira, o trabalho dentro de "Maus", mesmo quando coloco de lado a história que estou contando e vejo como as páginas são construídas, é uma continuação dos pensamentos de "Breakdowns". Em "Breakdowns" eles não foram criados para ser invisíveis como são em "Maus", mas o processo no geral é o mesmo, continuo pensando na página completa, em como funcionam os quadros na página. As coisas seriam mais fáceis se os colocasse um depois do outro e sentasse ao seu lado para explicar, mas está tudo relacionado com a linguagem abstrata das HQs. Se alguém diz: "Gostei muito de 'Maus', mas não fui atrás de conhecer o resto", então provavelmente essa pessoa não tem interesse em HQs como forma de arte.
Folha - A certa altura de "Breakdowns", você cita o artista Rodolphe Topffer, sobre a ideia de que cartunistas "desenham mal, mas têm certo talento para escrita" ou "escrevem de forma medíocre, mas têm belo estilo de desenho". Aqui no Brasil, é comum cartunistas reclamarem da comparação de HQ com literatura. Como o sr. se sente em relação a isso? Siegelman - Se tivesse uma tatuagem -- sou contra ter tatuagens, porque ouvi que em Auschwitz eles transformavam as peles tatuadas em abajures; deve ser só rumor, não sei --, enfim, se tivesse uma frase tatuada, seria essa de Topffer, a coisa da existência entre dois lugares. Há quem compare HQ com literatura ou artes visuais, mas o cartunista fica entre as duas zonas e tem de equilibrá-las para que funcione. É um espaço híbrido, que exige dois dons. Embora grandes cartunistas possam ser péssimos desenhistas ou péssimos escritores. Há uma lógica diferente nisso. E acho que uma das razões para "Maus" ter se tornado um "crossover hit" foi por ele ter sido guiado pelo testemunho do meu pai. De certo modo, a palavra tem uma posição central nesse livro.
Folha - O sr. citou Harvey Pekar, que não pode desenhar, mas tem a ideia das HQs... Ele se enquadraria nesse conceito de cartunista? Spiegelman - Bem, faz sentido que o trabalho dele tenha sido apresentado em um filme ["O Anti-Herói Americano", 2003], porque ele não é exatamente um artista de HQ. Basicamente ele tem interesse em quadrinhos e tem seu próprio jeito de se mover nisso. Geralmente os quadrinhos dele são tão bons ou tão ruins quanto o cartunista que está colaborando com ele. O tipo de coisa em que ele não pensa é exatamente o que eu penso que é fazer quadrinhos. O tamanho do quadro, quantas palavras cabem em cada imagem, o que acontece nesse quadro, quantos quadros numa página, como eles se relacionam. Isso não faz parte do que o Harvey Pekar pensa.
Folha - O sr. acha que é melhor desenhista ou escritor? Spiegelman - [risos] Hmmm, bem... Acho que escrever é mais fácil para mim, desenhar é sempre uma luta. Quando não estou prestando atenção, só desenhando num guardanapo, por exemplo, é fácil. Mas, quando tento fazer algo específico, é um desafio. No ano passado, saiu nos EUA minha coleção de esboços "Be a Nose" [seja um nariz], que é uma frase de um filme obscuro de Roger Corman, "Bucket of Blood" [balde de sangue], sobre um cara que tem inveja dos artistas que pegam todas as garotas. A certa altura, ele começa a socar um monte de argila, dizendo: "Seja um nariz, seja um nariz!". Ok, depois ele passa a matar pessoas para usá-las como esculturas, mas, para mim, aquele momento em que o cara soca a massa e diz "seja um nariz", isso é ser um cartunista.
Folha - E o sr. faria um romance? Spiegelman - [pausa] Não. Às vezes, escrevo ensaios. Até agora, nunca tive satisfação pessoal com nenhuma ficção que tenha escrito. Eu me interesso demais em desconstruir as coisas para pensar em construir algo. Bem... Talvez eu pudesse escrever uma prosa de não ficção, mas... Por outro lado, acho que a escrita sem o desenho ou o desenho sem a escrita não me completam.
Folha - Quando "À Sombra das Torres Ausentes" [2004] foi lançado, falou-se sobre o viés político, mas mesmo ali o sr. fala da suas influências. No fundo, também é sobre quadrinhos. Spiegelman - Sim. A coisa sobre quadrinhos me impede de ficar totalmente louco, furioso com meu governo, com o que foi feito à minha cidade e tudo isso.
Folha - Quando o sr. criou a capa do 11 de Setembro para "New Yorker", imaginou que seria antológica? Spiegelman - Não... Ela me pareceu a resposta certa. E, mesmo quando a encontrei, não reconheci. Eu tinha feito uma outra versão, mais complexa, mas minha mulher [Françoise Mouly, editora de arte da "New Yorker"] foi quem pegou essa e disse: "Essa é a capa". Ela era preto com preto, muito mais simples, muito mais pura. Agora olho para trás e penso: "Ok, foi um daqueles momentos transcendentais". Mas é tanto da Françoise quanto minha, e foi o único gesto possível naquele momento.
Folha - O sr. é uma pessoa política? Spiegelman - Não sei, sou e deixo de ser político a cada par de horas. Há momentos em que me sinto muito infeliz de ver o gigante jogo político na América. Por outro lado, se penso demais nisso, não posso suportar, daí me foco em outras coisas. Não quero ser um cartunista político, nunca foi um objetivo meu, o mais próximo que cheguei disso foi em "À Sombra das Torres Ausentes", porque foi algo que vivi de perto.
Folha - O sr. falou sobre os quadrinhos de perfil industrial nos EUA há décadas atrás. Mas a impressão que se tem é que, mesmo hoje em dia, na França, a recepção para HQs adultas é melhor que nos EUA... Como o sr. vê isso? Spiegelman - Não sei, nos EUA as coisas mudaram uma enormidade nos últimos anos. É provável que a França os best-sellers vendam mais do que os best-sellers aqui, mas isso vale para qualquer categoria, não somente para HQs. Apesar disso, acho que ainda hoje, nos EUA, embora a cultura do livro seja saudável, a de HQs é provavelmente uma das mais saudáveis dentro dessa cultura. A esta altura, ganhamos muitas das batalhas que pareciam inconcebíveis, voltando à época em que "Breakdowns" foi realizado, ou quando Françoise e eu fizemos a revista "Raw" juntos. Não dava para desconfiar do que viria a acontecer, com HQs sendo ensinadas nas faculdades, seções específicas para HQs de adultos em livrarias, exibições de arte em HQ em museus, bibliotecas interessadas em ter HQs em vez de queimá-las e jogá-las fora, como quando eu era criança.
Folha - Que cartunistas o sr. lê hoje em dia? Spiegelman - Hmmm... Novos ou antigos?
Folha - Não sei. Vamos começar com a "Mad", que foi uma influência pra o sr. quando ainda era criança... Spiegelman - A "Mad" está quase acabada. E, de qualquer modo, não tem sido boa por cerca de 50 anos [risos].
Folha - Ou seja, desde que o sr. a descobriu... Spiegelman - Ela era realmente boa quando a descobri, era um trabalho de gênio, isso foi antes mesmo de eu ser capaz de ler. Mas... vamos ver. Há tanto material sendo lançado, não importa o tipo, há sempre algo para olhar. Por exemplo, assim como está florescendo por aqui uma série de reimpressões de velhas tiras e HQs, em livros muito bonitos. Como resultado, pela primeira vez que as HQs tiveram a oportunidade de ter uma história, pude voltar a ver essas coisas antigas que eu amava. Por exemplo, tive por muito tempo "Little Orphan Annie", de Harold Craig, foi uma grande influência sobre "Maus". E odeio a política dele, aliás, Harold era um conservador de direita muito presunçoso, mas há algo sobre o modo como ele faz HQs que me fez aprender e gostar muito. "Crazy Kat" é uma fonte contínua de prazer para mim... Em HQs contemporâneas, é insano pensar, porque muita coisa vem à minha mente em um segundo. Mas gosto muito dos trabalhos do Joe Sacco, está para sair um livro dele "Footnotes in Gaza", sobre os massacres em Gaza, acho fantástico. Gostei do "Gênesis" do Crumb, recentemente.
Folha - Gostou muito? Spiegelman - Bem, não sei se teria gostado se fosse a única coisa que tivesse lido do Crumb, mas, como parte de um todo, é ótimo, sabe? Eu nunca teria lido o "Gênesis" se ele não tivesse feito uma HQ partir dele. Não teria lido o livro em que é baseado [risos]. E amo os trabalhos de Chris Ware, Linda Barrys, mas há uma grande quantidade de artistas de HQ atualmente, é quase assustador...
Folha - O sr. é amigo do Crumb? Spiegelman - Sim, estivemos em Austin, Texas, juntos com minha mulher, tivemos uma conversa pública no palco da Universidade do Texas, e sim, nos conhecemos por muitos e muitos anos, até passamos umas férias na vila dele na França.
Folha - Há dois anos, o sr. fez as pessoas aqui acreditarem que você vinha pro Brasil [para a Flip], e não veio... Spiegelman - Eu também acreditava que ia!
Folha - Daí chegou-se a falar que o sr. viria no ano seguinte, e também não veio... Spiegelman - Escrevi para o Luiz [Schwarcz], meu editor, para dizer que realmente quero ir, mas nunca parece dar certo quando há uma oportunidade. Da primeira vez teve a ver com uma doença séria do meu sogro, e tivemos de ir para a França, onde o pai de Françoise vivia. Depois disso, cada vez houve um empecilho, como estar no meio de um projeto e ter um prazo para entregá-lo, então nunca consegui marcar algo, mas realmente quero ir algum dia. Só estive no Rio uma vez...
Folha - Quando? Spiegelman - Hmmm, deixe-me ver, estou tentando lembrar, foi uma exposição do meu trabalho no museu Oscar Niemeyer, no final dos anos 90. Mas eu preciso ir, passei um tempo muito bom no Rio, mas não fomos a outros lugares. Um dos problemas que tivemos foi que minha mulher olhou no mapa e disse: "Ótimo, vamos sobrevoar a Amazônia, sempre quis ir a Amazônia". Isso quase matou toda a viagem para mim, porque eu disse, meus ancestrais ficaram milhares de anos tentando sair da floresta. Não quero ir voluntariamente, não quero arriscar a vida da minha família [risos].
Folha - E o sr. conhece algo sobre HQs brasileiras? Spiegelman - Não conheço muito bem. Vi um pouco quando estava no Rio, mas não conheci. Sabe, HQs, mesmo tendo um enorme componente visual, se você não pode ler, e eu não posso ler português, é difícil se envolver. Mas... Eu não lembro bem o nome, há um cartunista político incrível, que publica em um jornal do Rio, e tem um irmão...
*Folha - Chico Caruso [o jornal é "O Globo"]* Spiegelman - Ele é realmente bom. Mas certamente não conheço um equivalente meu no Brasil, gente que esteja fazendo... Não sei como você chamaria, HQs alternativos...
Folha - Bem, no sentido de nomes que surgiram na contracultura, há alguns cartunistas interessantes que publicam na Folha, como Angeli, Laerte... Spiegelman - Se você me mandar o artigo que escrever, me manda junto essas tiras?
Folha - Ok, posso mandar, mas o sr. não vai entender, estará tudo em português... Spiegelman - É, isso será um problema. Acho que não deve ter muita coisa traduzida para o inglês, não é? E essa coisa meio nova nos EUA, esse formato longo de "graphic novel", seja lá como queira chamar, esses livros mais longos, tem algo assim acontecendo no Brasil?
Folha - Não é forte como nos EUA, mas há alguns jovens cartunistas aparecendo, gente que ganhou o Eisner... Spiegelman - É um mundo em que a cultura precisa viajar de ponto a ponto. Voltando aos anos 60, quando eu estava começando no underground, tinha algo realmente acontecendo aqui, e isso foi para a Europa e influenciou o que acontecia na França, e depois foi para a Itália e para o resto da Europa, e em algum ponto isso voltou a influenciar as HQs dos EUA...
Folha - E com que frequência você cria HQs atualmente? Spiegelman - Ah, eu não trabalho com prazos. Quando estou interessado em algo, estou tentando resolver um problema ou me expressar bem, começo a pensar como isso poderia ser publicado, e isso demora. Não sou como alguém que tenha livros ali uma obrigação de publicar com frequência, como, sei lá, "Pato Donald", nem sou tão prolífico como meu parceiro Paul Auster, que lança um livro a cada ano...
Folha - Bem, ele não tem que desenhar... Spiegelman - Bem, se ele desenhasse, nós teríamos pelo menos um livro a cada três anos. Demora muito para fazer essas coisas.
BREAKDOWNSAutor: Art SpiegelmanTradução: Vanessa BarbaraEditora: Quadrinhos na Cia.Quanto: R$ 79 (312 págs.)

sábado, 28 de novembro de 2009

a matéria de ontem

comercial. veículos. tarde de calor.
- oi, boa tarde.
- boa tarde.
- viemos fazer a matéria que estava agendada.
- matéria. sei. do jornal né?
- é.
- sobre o quê?
- sobre a loja.
- ah, tá. sobre a loja. pois não?
- pois não digo eu.
- ah tá, matéria.
- é. matéria. vamos falar da loja?
- ah sim, da loja.
- fale com aquele moço sentado lá no fundo no computador.
- certo.
passos. passos.
- oi boa tarde. vim fazer a matéria do jornal que estava agendada.
- matéria? do jornal?
- é.
- ah tá. do jornal. senta.
- obrigada. pois não? o que falaremos da loja?
- da loja?
- é, da loja.
- ah tá, matéria.
- isso.
- fale com aquele careca lá na frente.
- certo. (começo da crise de riso)
passos. passos.
- oi, boa tarde. viemos fazer a matéria que estava agendada da loja.
- matéria?
- é. (eu to rindo)
- do jornal?
- é. (to rindo mais forte)
- ah tá. pois não? o que quer quer falar?
- falar? eu? (crise de riso atacando)
- é, nunca fez matéria não é?
- claro que já. (rindo mto) mas o que o senhor quer falar da loja?
- da loja?
- é! matéria comercial! (rindo mais)
- quem agendou?
- e eu que sei?
- tá, fala da loja.
- eu? eu vou falar o que, amigo? sou a jornalista. fala vc.
- certo. vendemos carro.
- sim, to vendo. o que mais?
- carros nacionais e importados.
- tá.
- qual o tamanho da matéria?
- meia página. (pensamento: com o que vc me falou, um box 3x4 - deus, tenho que tirar leite de pedra. rindo)
- diz que vendemos moto.
- certo. e o que mais?
- acho que é isso.
- certo.
- tire fotos da fachada tb. diga que financiamos. e temos os melhores preços.
- legal.
- estamos sob nova direção.
- bom. quem é?
- nós 3.
- nós 3 quem?
- nós.
- (pensei: eu tb, jesus? quem é nós, criatura?) certo, os nomes por favor.
- eu, ele e aquele sentado.
- blza. tem um cartão com o nome de vcs?
- claro. tá aqui.
- certo.
- obrigado.
- tchau.
claro, teria que finalizar novembro com uma matéria dessas. Jesus Amado. só por Deus.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Café ganha 5° Prêmio DB Artes

A Café ganhou o prêmio DB Artes de melhor revista independente
eita que estamos nos acostumando...hehe
brincandeira, acostumando não, mas estamos super felizes com o reconhecimento do nosso trabalho. tanto eu qto o sergio.
e orgulhosos também pelo nossos amigos Daniel Esteves e Wellington Srbek.
E claro, pelo reconhecimento do Quarto Mundo.
O Prêmio DB Artes é realizado durante as edições do evento HQ Festival (Festival de Quadrinhos de Sergipe) tendo o objetivo de homenagear os autores independentes (que produzem suas obras por conta própria) de histórias em quadrinhos. A premiação é realizada desde 2003 e sua quinta edição foi realizada entre os dias 31 de outubro e 01 de novembro. A Café Espacial foi escolhida como uma das melhores edições independentes do ano. Trata-se da nossa terceira premiação em dois anos de atividades! Nas demais categorias, nosso colaborador Daniel Esteves se destacou como Melhor roteirista e também destaque ao coletivo Quarto Mundo.
Confira os outros vencedores abaixo:
Confira abaixo a lista dos Homenageados desta quinta edição do Prêmio DB Artes! Edições Independentes MangáK – MagyLuzia Café Espacial – Sergio Chaves Comando V – Allan Goldman Roteiristas Independentes Daniel Esteves Wellington Srbek Desenhistas Independentes Adalto Silva Pablo Carranza Álbum Independente Os Marginais – Elmano Silva. HQ On-line Um sábado Qualquer – Carlos Ruas – http://www.umsabadoqualquer.com/ Site sobre Fanzines Bigorna – http://www.bigorna.net/ Homenagem Especial Quarto Mundo – Coletivo de quadrinistas independentes

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A amiga

- você sabe o que aconteceu? - não sei, daqui também eu não consigo ver o que aconteceu com ela. - será que todo dia vai ser assim? - pois é, ela faz falta né? - nem me fala.... [....] - voltou! voltou! ela voltou! e num sorriso largo e feliz, quase com lágrimas nos olhos, sorriu para a tela, reiniciou o computador e apertou o ícone da internet. Ela estava de volta. - Como eu conseguia trabalhar sem ela antes? como? Isso eu não sei, só sei que estamos ficando doentes.

Café em Sampa

domingo, 25 de outubro de 2009

o livro da Carol

Bem, terminei hoje de ler "sinuca embaixo d'agua" da Carol Bensimon.
caraca.
a primeira vez que li sobre o livro da carol foi no site dela http://www.carolbensimon.com/ o serginho que me passou. e de cara o interesse foi grande pelo livro. fora que ainda quero ler "pó de parede".
mas enfim. tentei falar com o carol por email pra divulgar o livro no jornal. e agora converso com ela às vezes no twitter. e é bom falar com ela assim tb.
o livro me passou um contexto maravilhoso de vida e de morte. fora a questão da narrativa fantástica, da forma de construir os diálogos dentro do texto e do mais maravilhoso capítulo "Lucas" que vê a morte da Antônia da janela de casa.
foi a coisa mais bacana que já li. a carol conseguiu transformar uma cena, com passagens de ida e volta entre o bernardo e o camilo, na história do pequeno lucas, que nunca tinha visto a Antônia, mas que viu o carro batido na ladeira. estraçalhado, da janela do quarto.
foi uma cena a mais inserida vista de fora. linda. mto bem escrita.
a carol é fantástica.
e é legal gostar dos grandes escritores, é mto bom. mas reconhecer quem está aqui, do nosso tempo e saber que são grandes é mais legal ainda.
recomendo: "sinuca embaixo d'água".
leitura linda, primorasa e um prazer conhecer aqueles personagens todos, entrar no bar do polaco, ver a mesa de sinuca e sentir falta da antônia. que eu nem conheci.
"não houve tumulto".
é maravilhoso.
Livro: Sinuca Embaixo d'Água
autora: Carol Bensimon

sábado, 17 de outubro de 2009

o dia

Ontem estive refletindo sobre algumas coisas dessa vida. Acho que refleti demais. rs. Porque cheguei em casa extremamente cansada, e nem eram 10 da noite ainda. eram 8 e pouco. e eu parecia já estar no 10° sono.... enfim. fui ao médico no final da tarde de ontem. depois de um dia extremamente estressante no trabalho. e foi mesmo. deu pau no computador, furou pauta, matéria, entrevistado, levei bronca (quis da bronca), tive vontade de chorar no começo da manhã e uma crise de riso no final do dia conversando conversando com o serginho. à noite, boas supresas com duas ligações deliciosas. rs bom, mas não era disso que eu ia falar. fui ao médico e no caminho estive refletindo sobre algumas coisas da vida, como por exemplo, que valor estamos dando a nós mesmos. eu estou sem tempo às vezes de dormir e de comer, que dirá de fazer exercício. no away. - oi, quer jantar ou quer dormir? - dormir. como ando preferindo isso? não tenho idade e parece que envelheci não sei quantos anos. ando cansada mesmo e muitas vezes é de mim mesma. ah, mas não era isso que eu queria falar. sim, o médico. estacionei o carro e fui atravessar a rua. passaram não menos que 30 carros. não tem sinaleiro nessa rua. 30 carros. eu fiquei na faixa de pedestres, antes de atravessar, no mínimo 20 minutos. ninguém parou. na faixa estava escrito: pare. ninguém parou. ninguém. eu ficava olhando diretamente para os motoristas, pedindo uma brechinha pra passar. ninguém parou. só consegui atravessar qdo o movimento diminuiu. 30 minutos depois. 30 minutos. meia hora da minha vida pedindo pra alguém deixar eu passar. daí eu me liguei que isso está assim em tudo agora. eu só queria passar. tentei passar no teste há duas semanas. eu não passei. queria passar um tempo descansando esses dias. eu não passei. queria passar uma hora fazendo exercício físico. eu não passei. queria ter passado na usp na época do vestibular. eu não passei. queria ter passado pela faixa de pedestres antes de meia hora. eu não passei. queria ter passado no teste do carro na primeira vez. eu não passei. queria ter passado mais tempo ouvindo a chuva que caiu ontem, vendo o sol se por e olhando o céu que ficou azul e rosa no final do dia. eu não passei. passei um tempão pensando que eu era uma incompetente por uma fala do meu chefe esses dias. passei um tempão pensando que eu era uma péssima professora porque um dos alunos na aula de quinta olhou com tédio para a aula que eu estava dando. passei um tempão pensando que eu era uma filha horrível porque já senti muita raiva do meu pai e da minha mãe. passei um tempão confiando em pessoas erradas e contando segredos meus, que são meus. hoje fiquei na redação sem fazer nada. ajeitei um trabalho ou outro. bom dia. dia. foi a resposta. ontem eu vi a novela das 8. sabe que existe um mundo paralelo nas tramas do manuel carlos? não é possível. é tudo tão lindo, tão perfeito, tão comercial de margarina. tão ricos. as modelos foram pra europa. eu nunca fui nem pro paraguai. olhei a cena me imaginando no avião. será que um dia conheço Paris? é um mundo paralelo mesmo. pelo menos pra mim e pelo menos agora. nem pra BH no FIQ eu consegui ir. e isso me consome. como eu queria ter ido. tenho tido dores de estômago constantes. mais vezes e cada vez mais fortes. "O direito de resposta é uma coisa fundamental. Sagrada. Senão a gente fica até imaginando que o outro lado pode ter razão" millor fernandes é mesmo. eu preciso aprender a falar. do que vem de dentro no caso.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O que vem com a chuva

Dizem que as manhãs de segunda-feira são irritantes. Aquela semana cheia que começa, cheia de coisas, projetos e ideias é de matar qualquer um. Pois bem.
Hoje a segunda-feira amanhaceu quente. Muito quente. E de repente começou uma chuva forte e interminente que fez até os cães na vizinha pararem de brigar. Eles têm chorado a noite toda, sabe? devem ser cachorros novos...
Mas enfim. Em casa todos ainda estão dormindo e isso me traz um pouco de calma. As ideias e projetos estão em estado dormente. Deixo a janela aberta e o som do dia é de chuva. Trilha sonora: trovoadas e pingos caindo no telhado. Quer coisa melhor?
ah, sim, lógico. Tem coisas tão boas quanto, mas a chuva numa manhã de feriado é como um presente mesmo. Parece que a chuva te lembra assim: te dou um descanso colega, vá dormir.
E um turbilhão gira aqui dentro.
Mas por falar em turbilhão o final de semana foi cheio de coisas boas.
Em primeiro lugar o FIQ que não fui. O Quarto Mundo está lá, galera reunida, festas e etc. Não pude ir, infelizmente. A passagem estava comprada, mas não deu certo. Acompanhei a cobertura com fotos e comentários pelo twitter da Banca de Quadrinhos do Rodrigo. Muito muito boa a cobertura...
E por falar em turbilhão novamente, assisti "Jules et Jim" (1962) de Truffaut no sábado. Era um filme que queria assistir há tempos mesmo e nunca achava na locadora. Pois bem, resolvido o problema, troquei de locadora. rs.
foi mais fácil assim. Mas bem, não era isso que eu ia dizer.
O filme é inspirador, não apenas porque pra se assistir um filme desse, você tem que se dispor a assistir, mas pelas ideias tão pós-modernas desse diretor.
Daí vc assiste o filme e sabe de onde veio "Vick Cristina Barcelona", de onde veio várias tomadas de outros filmes e o por que de Jeanne Moureau ser considerada Diva.
É lindo, dá gosto assisitir. Sequências belíssimas em preto e branco, diálogos fortes e e reais ainda pra hoje e a ideia do que é o amor e suas consequencias levadas a últimas situações. Dona Flor e seus dois maridos. rs.
Jeanne cantando "Le turbilion de la vie" é doce e forte ao mesmo tempo, sintetiza, jules, jim e albert no mesmo plano e a obstinação em que tudo fosse sempre assim, uma música que fala do turbilhão e ao mesmo tempo é doce e calma. Como a cena, como a vida deveria ser para aqueles três.
Vale a pena assistir.
Tá, não me cansei e peguei Woody Allen também. Manhattan (1979). Era um filme que queria ver há tempos também. Não só por ser do Woody que amo, mas pelo contexto, por ser em preto e branco com uma fotografia divina do Gordon Willis (o mesmo de O Poderoso Chefão), mas pela questão de relacionamento.
Sério. Vi outros filmes ali dentro, outras pessoas e coisas minhas também. Quantas vezes abandonamos alguém em função de uma ilusão com outro? a não realidade nos choca e machuca e assim vamos, muitas vezes nos machucando e machucando também o outro. Relacionamento é algo realmente complicado, concordo. Mas a paranóia que Woody nos apresenta vai além, com um bom humor e uma ironia fina, nos mostrando a nós mesmos em todos os personagens. O filme poderia se chamar "Retalhos". (tá, craig thompson já usou pros quadrinhos, mas bem que o filme merecia)
tem vingança da ex-esposa lésbida de isaac, tem relacionamentos mal resolvidos, amores que não poderiam dar certo e dão, amores que na visão dos homens são errados, abandono, traição, lealdade. Tem tudo.
um filmão. e uma baita fotografia, como já disse. é lindo.
li o livro "Até o dia em que o cão morreu" (2003) do Daniel Galera. Caraca. Que choque. Que livro. Não conseguia parar de ler um minuto, devorei o texto em duas noites. Um começo super kafikaniano e um desfecho fantástico. Não é romance, não é policial, não é terror. é real mesmo. lindo, bem escrito, diferente, sarcástico, humano.
Queria conhecer o Daniel e trocar uma ideia com ele. O enredo é tão simples (tal qual os filmes de woody), mas é tão denso e vai te envolvendo de um jeito muito louco. Parece que fiquei amiga da Marcela, do seu Elomar e até do pobre cãozinho. Carpinejar, na contracapa no livro explica que deveria ser obrigatório os jovens de hoje conhecerem a literatura do Galera. É seca, é áspera e realista no último.
queria ter lido esse livro com 17 anos. Talvez mudaria algumas coisas que tinha como verdade absoluta. Hoje, a única coisa que sei é que vou morrer. Só não sei quando.
E o livro do Galera mostra que a vida pode ser isso mesmo, essa merda que é. O lance mesmo é viver, de verdade, um dia de cada vez, se atirar, descobrir e principalmente amar. Porque a nossa melhor amiga, mtas vezes estando acompanhados ou não, numa cidade grande ou não, é a solidão. aquela inquilina maldita....
recomendo mesmo.
o outro livro que li nesses dias: 7 Vidas do André Diniz. Sabe que tive o prazer de conhecer o André Diniz esses dias dias em São Paulo. Enquanto conversava com o Laudo, ele chamou o André e eu super ansiosa; é o Diniz? Caraca, na mesma mesa que eu... rs.
havia pego o livro dele na mão no dia anterior e no meu computador do trabalho marcado em um post it amarelo: entrevistar andré diniz. Na hora fui comprar o "7 Vidas" e pedi pra ele autografar. Li ontem. Inteiro. Arrepiada.
Sabe que eu gosto de ler, é verdade e as experiências com quadrinhos são cada vez melhores. Esse livro do André me chamou a atenção pela veracidade, pelos traços, pela ideia e pelo final mais do que real.
As terapias de vidas passadas que apresentaram ao narrador onisciente a alegria, de sei lá, talvez evoluir. e ter nas mãos a obra mais rara já feita por ele.
é um livro lindo, denso e que não dá vontade de parar de ler. e eu não parei...rs.
devorei mesmo. interessantíssimo, real e assombroso. Em mtos momentos os personagens se contorcem e se distorcem, tal qual um sonho ou um pesadelo. Algo que também vivemos.
O André ganhou uma fã. rs
Confiram "7 Vidas"
Assisti no sábado a peça "Bonecrônicas" de teatro de bonecos da Companhia AnimaSonhos. Ah, que delícia....teatro de bonecas sempre é bom. sempre. Mas nesse os bonecos eram feitos pelo falecido Tiarajú e encenados pelo seu irmão gêmeo Ubiratan. Galerinha de Porto Alegre fantástica, com sotaque e tudo. Puxa, demais mesmo. Fomos dar uma volta pela cidade depois e foi um prazer incrível conhecê-los. Acredita que eles também são amigos do Gual? (da livraria HQMix em sampa, pra quem não conhece..) eita mundo pequeno. E como o Bira disse, "o mundo não é pequeno, é que pelas afinidades a gente acaba encontrando as pessoas que têm a ver com a gente".
isso aí....
e pra finalizar (a chuva já está até parando....rs. quer dizer, está mais calma, mas ainda convidativa...) assisti ontem a uma homagem ao Cartola que faria 101 anos. Puxa vida, pra que vale a pena viver e ser brasileiro? Não é pelas Olímpiadas não, por favor. Orgulho mesmo é saber que nasci no mesmo país do Cartola, do Noel. Que prazer imenso. "O Mundo é um Moinho" é um hino e "Alvorada" é um convite a alegria....Além é claro de "Corra e olhe o Céu".
é, Cartola é algo que vai além mesmo....
"o mundo é um moinho
vai triturar teus sonhos tão mesquinhos
vai reduzir as ilusões a pó..."
Salve Cartola....
amanhã compro Sinuca Embaixo d´água de Carol Bensimon (http://www.carolbensimon.com/). eu, quando nascer de novo, vou entrar na mesma fila que ela entrou: a fila do talento. queria muito conversar com a carol. mesmo. A guria é show....
e por último (prometo) li "12 razões para amá-la". Ah, mas que delícia de texto e de imagem. Para situar: hoje os quadrinhos voltaram com tudo, e junto com eles as fantásticas "graphic novels" e essa é uma das mais legais que li.
Ganhei de presente. rs. e adorei.
Gwen e Evan tem a história de amor deles narrada em 12 capítulos, com direito a trilha sonora e tudo mais. e esse tema, de relacionamento, discussão, seres humanos, sempre me interessou. O quadrinho para mim foi uma novidade mesmo. Primeiro porque foi presente (rs) e eu não conhecia Jamie S. Rich e Jöelle Jones autores do livro, o que foi uma grata surpresa e outra porque, voltando ao tema, a discussão sobre relacionamento é algo tão simples e que dá tantos ganchos que me espanta ficar tão original, tão bacana, tão bem feito.
"eu queria ter escrito essas história", veio junto com o presente. rs. Eu também.
é linda mesmo.
hummm.....será que é só isso? deve ter mais coisa, tenho certeza, mas a chuva está tão boa, tão convidativa, a janela aberta....

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

com a boca no trombone

Se é pra falar a verdade, vamos fingir que temos uma. Sim, porque verdade verdade ninguém tem. Algumas certezas sim. Mais ligado pro lado do umbigo do tipo: "eu nunca faço isso, eu não sou assim" mas temos. Apenas certezas. Mas se é verdade ou não, não se sabe.
Mas eis que o tempo roda e questionamos, qdo temos tempo, o que acontece ao nosso redor.
Pois bem, alguns apontamentos:
- Rio 2016: por deus, por el rei e pelo gato. Como isso pôde acontecer? Chega aquele sentimento de patriotismo, dolorido, no que se pensa, "puxa vida, no Brasil", mas pensar especificamente nesse povo, nessa sociedade parece coisa de amador. Tivemos um exemplo com o Pan. e agora, josé? o que será? investimento milionário pra inglês ver. e aparentemente. "ei, patrocine meu projeto, preciso de 5 mil por ano". Não temos dinheiro. "patrocine as olímpíadas. 160 milhões por mês". claro chavinho. topo, vamo caí dentro. por que não?
putz que paranga.
- entrevistas absurdas com ex- BBB contam? nem entrarei nesse tópico então.
- ah sim, o enem. fizemos uma conta aqui em casa: vamos colocar, por baixo, 50 milhões de adolescentes que fariam a prova. cada caderno de prova custa o mínimo de 10 reais. logo, 500 milhões foram pro ralo. fora o desperdício de papel. e o tanto que já investiram em propaganda.
- comprei a rolling stones com os beatles na capa. Meu, há 40 anos os caras fazem sucesso, não me importa se vc gosta ou não. Eles têm dinheiro a deus dará e vc não. E são bons. daqui a 40 anos estarão ainda no topo das paradas. e convenhamos: nunca mais vai existir nada assim, nem parecido. conjunção astral? vai saber.
- deus deve estar puto. louco da vida. se ele existir mesmo, está querendo cortar os pulsos. tá, blasfêmia, mas é verdade. eu se fosse ele, já tinha mandando explodir esse mundo. ah é. ele já desencanou daqui é verdade. jesus é que tá tomando conta. desceu na terra e resolveu pegar a madonna e virar dj. quer que o mundo se exploda tb. tá comendo alguém e é isso que importa.
- humm, deve ter mais coisas.
- ah sim, o twitter. tá louco cara? que qué isso...é, brinquedinho legal, mas tem gente postando até se cortou a unha ou se acabou de fazer cocô. twitter virou o melhor amigo do homem, pra quem devemos satisfação. chapolin é que estava certo ao profetizar: "sigam-me os bons". o brinquedo é legal sim, mas tá virando abuso.
- outra coisa: o programinha de sexo que a fernanda lima tá apresentando na grobo. eita que até parece que a globo e prafrentex. pergunta-se tudo, claro dentro dos padrões. jamais ouviremos "oi tony ramos, estaremos falando de sexo hoje no nosso programa. vc já deu o fiofó?" ah, se a moda pega.
- A Márcia da Band é outra: "mexeu com vc, mexeu comigo" hã? "vamos saber agora se carlos traiu maria, agora, vamos saber. carlos (pausa séria para câmera) vc traiu a maria. ESPERE. primeiro o cogumelo do sol. é com vc gabriela". aaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, mas que divertido. deveria ser obrigatório assistir o programa.
- ah claro, o sarney. alguém aí lembra de falar dele? e o severino? e o roberto jefferson com pinta de cantor de ópera? e os desvios monumentais? é mesmo. falemos de outra coisa. o carnaval já tá chegando e é Brasil em 2016. quero só ver se o Brasil chega até lá....
nossa, deve ter mais trocentas bizarrices por aí. mas enfim. a vida é curta e o tempo urge.

sábado, 3 de outubro de 2009

Café #5

A revista Café Espacial #5 já está pronta. Dá pra acreditar? Estamos na #5!
parece que foi ontem que eu e o serginho conversávamos sobre a possibilidade de fazer a #1 e um pouco depois, na minha casa abríamos a primeira revista com aquela expectativa: pô, uma revista nossa!
e olha só, hoje temos troféu, amigos e novos amigos a cada dia, elogios e novidades.
Taí a #5. Mais bonita ainda.
Com uma capa linda do Ebbios, nosso parceiro de aventuras em Sampa também.
Degustem, devorem. Aproveitem.
www.cafeespacial.com

Enfim que chega outubro

Não está dando tempo para muita coisa. As reflexões que tenho, tenho também carregado comigo e ando sentindo uma falta danada de escrever por aqui. Eu sei que, sem discussão, o tempo de hoje é diferente do tempo de ontem. Ainda que sejam as mesmas 24 horas de sempre. Lembro-me com uma saudade sem limites de um verão dos anos 1990. Sim. Lembro-me do cheiro dos dias que iam e corriam calmos. Meus pais, geralmente colocavam as cadeiras da área na calçada e ficavam conversando com os vizinhos. Havia poucos carros na rua e enquanto eles falavam amenidades a gente andava de bicicleta, jogava queima e brincava de futebol. Era um tempo bom. Não melhor nem pior do que hoje. Era apenas bom. Sim, saudade apenas, não nostalgia, porque afinal, cada tempo tem suas preciosidades e particularidades. Hoje me vejo um tanto quanto sem tempo muitas vezes de pensar em mim mesma. E isso parece um absurdo porque me olho e olho para os outros e vejo que, sim, estamos envelhecendo. Aos poucos, mas estamos. A energia se renova é claro, mas a carcaça...rs. Enfim. E então que questiono até quando essa correria será minha maior companheira. Converso com amigos e a fala principal é: estou cansado. Eu mesma repeti tanto isso por esses dias que cansei também. E de mim mesma por ficar falando isso. O (s) trabalho (s) está bom. Muitas coisas boas e novas surgindo que não cabem na postagem do twitter. (é, virou moda contar os nossos passos...) Mas vi novas coisas , li novos livros, ouvi novas músicas, conheci novas pessoas e olhei de um jeito novo para uma primavera que está com cara de verão. Um verão distante em que os pensamentos ainda não estavam em turbulência. O que havia antes era uma expectativa de crescer. Hoje, ao crescer, o que penso é na expectativa de refletir sobre essa overdose de informação, novidades. Com tempo é claro. Mas nem sempre a gente consegue tudo o que quer. E o bom é justamente pensar que o mundo dá tantas voltas e é tão rápido isso que sem perceber e se dar conta uma hora há de chegar a novidade. Aquela que a gente busca sempre, mesmo estando com um dia novo a cada dia bem na nossa frente...
"Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho,
prepara uma avenida
Que a gente vai passar..."

sábado, 12 de setembro de 2009

21° Troféu HQ Mix

A premiação. Não tem nem o que falar. Nada.
Foi tudo muito legal, tudo. Os novos amigos velhos de sempre. As conversas, as entrevistas, as risadas.
Mas sabe que para mim, particularmente, o troféu teve um sabor especial. Espacial? rs
Não porque ganhamos. Claro, também por isso. Reconhecimento num mundo fadado de egos inflados é muito bom.
Mas porque sei que o Sergio Chaves, o editor da revista, meu amigo, meu parceiro pro resto da vida de trabalho merece. Merece mesmo. Todo o reconhecimento do mundo.
Quando a gente trabalha com quem a gente admira fica muito mais fácil de sair coisas boas.
Obrigada a todos, ao Quarto Mundo, aos amigos.
Sempre.
www.cafeespacial.com

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Bob Dylan quase foi preso

enfim, que o mundo está perdido. imagine estar passeando por aí e ver um sujeito 'esquisito'. normal. mas daí ele é tão, mas tão esquisito que você chama a polícia. a polícia é jovem e não tem conhecimento e cultura musical e prende o cara.
- Qual o seu nome senhor?
- Bob Dylan.
- Senhor Bob Dylan, o senhor tem documentos?
- Esqueci no hotel.
- E o que faz por aqui?
- Estou em turnê.
- Em turnê, sei....
- É verdade. Sou cantor.
- Senhor Bob Dylan por favor nos acompanhe.
- Para onde?
- Para a delegacia.
E foi isso que aconteceu esses tempos. Bob Dylan quase foi preso. Por não ser reconhecido. Os policiais ainda estão soltos. E incultos.
Aposto que se fosse a Britiney Spears reconheceriam.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Café Espacial ganha HQMix

Imagina a alegria!
Nós, da Revista Café Espacial ganhamos o troféu HQMix! ihuuu!
Sim, pessoal. A revista Café Espacial ganhou seu segundo troféu em menos de dois anos de existência. Desta vez, a Café Espacial ganhou o Troféu HQMIX 2009 (uma das maiores premiações das artes gráficas do Brasil) na categoria Melhor publicação independente de grupo de 2008! O resultado do Troféu HQMIX foi divulgado hoje. O Troféu traz os melhores profissionais e lançamentos dos quadrinhos e de humor gráfico de 2008, votados por desenhistas, professores, pesquisadores e jornalistas da área, em todo o Brasil. Nós, da equipe da Café Espacial, agradecemos a todos os seus leitores e colaboradores que tem nos apoiado a persistir e a crescer no mercado editorial. Premiações como o Troféu HQMIX é mais que ganhar apenas um troféu. É ter seu trabalho reconhecido e valorizado. E isso é um incentivo para continuarmos a fazer uma revista cada vez melhor.
A entrega dos troféus será realizada na próxima sexta-feira (dia 21), a partir das 20h, no Teatro SESC Pompéia (Rua Clélia, 93 – Pompéia – São Paulo). O evento, como de praxe, será capitaneado pelo apresentador Serginho Groisman, padrinho da premiação, e sua banda. A estatueta deste ano, feita pelo artista plástico Olintho Tahara, é da personagem Mirza, a Mulher-Vampiro, criada pelo mestre Eugênio Colonnese, falecido em 2008. A família do quadrinhista estará presente para a homenagem.
Rumo à Sampa!
hehe

sábado, 15 de agosto de 2009

Eventos em Sampa

Infelizmente, não estarei por lá, mas os eventos que rolam hoje são imperdíveis.

E aguardem, o HQMix vem aí!

Sorte pros quadrinhos!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

woodstock - 40 anos

"Eles estavam namorando havia três meses quando foram ao festival. Nick conheceu Bobbi através de um colega de trabalho, namorado dela. Um dia ele foi para o litoral com os amigos sem avisar Bobbi e o namoro acabou. Quem se deu bem foi Nick, que tinha virado amigo dela e acabou se apaixonando pela garota".
E não é que boas histórias de amor podem acontecer? Woodstock está fazendo 40 anos. Póde? Creio que nossa vida também faz isso e evapora nas nossas vistas. Temos que aproveitar. Cada minuto, cada pessoa. Não precisa ser eterno, só tem que ser real.
Ouço Los Hermanos (pra variar) na lindíssima canção: "Conversa de Botas Batidas". Nem sei quantas vezes já ouvi. Fazendo as matérias, adiantando pra semana que vem.
"Esse é só o começo do fim da nossa vida Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
Que a gente vai passar
...
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar
...
Abre as cortinas pra mim
Que eu não me escondo de ninguém
O amor já desvendou nosso lugar
E agora está de bem
...
Diz, quem é maior que o amor?
Me abraça forte agora, que é chegada a nossa hora
Vem, vamos além
Vão dizer, que a vida é passageiraS
Vem notar que a nossa estrela vai cair"
E quem disse que a vida não pode ser surpreende, não é?
Hoje ainda tem matéria. Uma maravilhosa com o "Trio Curupira".
Empolgadíssima.