quarta-feira, 3 de junho de 2009

Sidarta

Resolvi que ia ler Sidarta, de Herman Hesse. Algumas pessoas que leram disseram que realmente não dá pra passar por essa vida sem conhecer esse livro. Me arrisquei. Comecei a ler semana passada, mas não sabia que seria tão profundo assim, tão instigante. Algumas passagens me marcaram muito e acredito que isso traz novas e fortes referências para pensar esse mundo caótico, competitivo e algumas vezes desumano em que vivemos. Em busca de si mesmo, Sidarta encontra algo a mais, algo além. E sai desse vazio mundano em que vivemos, ou melhor, estamos presos. Nos ensina escutar, a pensar. A ter paciência.
"A ânsia de sabedoria é um desejo como qualquer outro. Enquanto busca, será sempre insaciável, como todas. Só quando deixa de ser ávido de saber, quando deixa de buscar é que se encontra a sabedoria..."
Buda: "acautela-se contra o excesso de conhecimento".
Kamala: que é que sabes fazer, Sidarta?
Sidarta: Sei pensar. Sei esperar. Sei jejuar.
Kamasvami leu o que Sidarta escreveu: "Escrever é bom. Pensar é melhor. A inteligência é boa. A paciência é melhor".
Então que a leitura continue. Talvez que leia umas três vezes esse livro.
Pra ver se a alma e o coração acalmam. Tudo que há de ser, é.

5 comentários:

Edu Mendes disse...

Já vi que seus próximos livros serão Demian (que vem antes do Sidarta)e O Lobo da Estepe (que vem depois.
Mas já aviso, são só para loucos.
:-)

Sergio Chaves disse...

Amei esse livro também =)

Dan disse...

Então que seja!

Anônimo disse...

Poxa, Lídia, eu já li o Demian e o Lobo da Estepe, que, aliás, são maravilhosos. Comecei a ler Sidarta, mas não fui em frente. Não sei pq, talvez não estivesse preparada ainda... rsrs
Mas é uma boa dica!!!
Saudadonas de vc, menina!!
Beijão da Rubia

Anne Taimini disse...

Também amei esse livro. Li em um folego só. Peguei emprestado na biblioteca, mas agora já procuro um exemplar para reler.
Excelente!