domingo, 25 de abril de 2010

letra e música

Fred Martins
NOVAMENTE (Fred Martins/Alexandre Lemos) Me disse vai embora, eu não fui Você não dá valor ao que possui Enquanto sofre, o coração intui Que ao mesmo tempo que magoa o tempo O tempo flui E assim o sangue corre em cada veia O vento brinca com os grãos de areia Poetas cortejando a branca luz E ao mesmo tempo que machuca o tempo me passeia Quem sabe o que se dá em mim? Quem sabe o que será de nós? O tempo que antecipa o fim Também desata os nós Quem sabe soletrar adeus Sem lágrimas, nenhuma dor Os pássaros atrás do sol As dunas de poeira O céu de anil no pólo sul A dinamite no paiol Não há limite no anormal É que nem sempre o amor É tão azul
Esse final de semana eu tive o prazer de conhecer o Fred Martins, o compositor de várias músicas que adoro. ele veio fazer um show no Sesi. A chuva não me atrapalhou de ir. No final do show, comprei o CD e é óbvio, autógrafo. rs
só que fui a última pessoa a conversar com ele. não tinha mais ninguém no salão. Conversamos por algum tempo, sobre as coisas da vida, os amores, as dores, a política e a sociedade.
o fred é um cara inteligentíssimo e realmente, animou meu dia. ou minha noite no caso. as coisas estão um tanto confusas. ou bastante. ainda não sei.
o estranho é achar que as coisas devem ser normais. ou têm que ser.
- normal.
não, pra mim não é não.
"Quem sabe soletrar adeus / Sem lágrimas, nenhuma dor"?
cara, eu não sei. mesmo.

3 comentários:

Dan disse...

Aventuras de Dona Li. ^.^ [adoro]

"Quem sabe soletrar adeus / Sem lágrimas, nenhuma dor"?

Pq n tentar berrar esse "adeus" com toda força, deixar as lágrimas escorerem até secarem e deixar a dor se manifestar pra sentir a vida pulsando e depois mandar a dor pra bem longe?

Quarto Poder SP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Quarto Poder SP disse...

Nossa, esse som marcou muito uma parte de minha vida,mas na voz do Ney Matogrosso...arregaço

"A música preenche sua falta, motivo dessa solidão sem fim, se alinha a pontos negros de nós dois...
vix,arrepia